Aveiro

PortuguêsEnglish

Ria de Aveiro

Se a presença humana em Aveiro remonta, pelo menos, à Pré-História recente, evidente nas mamoas e dólmens existentes não só no concelho como em toda a região, o seu grande desenvolvimento surgiria em período histórico.

Desde sempre ligada a actividades económicas, Aveiro teve na produção de sal e no comércio naval as suas mais valias.

Valioso como bem de troca, o sal, provavelmente já explorado em tempos romanos, está comprovado documentalmente a partir de 959, no testamento da Condessa Mumadona Dias ao Cenóbio [mosteiro] de Guimarães.

Nos inícios do século XV, a edificação de um pano de muralhas em torno do núcleo urbano espelha o prestígio e crescimento que Aveiro teria alcançado. Posteriormente instalar-se-iam as instituições religiosas e assistenciais que, durante séculos, dariam fulgor à urbe ajudando-a a ultrapassar os momentos menos bons vividos, nos séculos XVII e XVIII, com o progressivo assoreamento da barra. Será a abertura artificial desta, concretizada em 1808, que devolverá, paulatinamente, o dinamismo a Aveiro, marcando o início de uma nova época.

A preponderância de imóveis dos séculos XIX e XX reflecte bem essa fase, revelando também o desejo de acompanhar o gosto da época, evidente na decoração com apontamentos Arte Nova de alguns edifícios, repetidos noutros locais da região, ou nas linhas depuradas de uma Art Déco e de um Modernismo impulsionado pelo Estado Novo. Hoje o desafio está no campus universitário, palco de actuação dos grandes arquitectos nacionais.

Paredes meias com o progresso, subsiste a tradição em algumas vivências etnográficas, bem como na arquitectura do meio rural da região, onde se fundem várias vertentes da construção tradicional portuguesa materializadas na casa gandaresa. Aveiro conserva também no Alboi e, em particular, no bairro da Beira Mar casas térreas revestidas a azulejo, testemunhos vivos de antigos marnotos [salineiros] e pescadores fiéis devotos de S. Gonçalinho e S. Roque.

À sua frente... a Ria com toda a beleza da sua paisagem mesclada de ilhotas e esteiros a fervilhar biodiversidade.

Depois, o cordão dunar de S. Jacinto com a sua reserva, santuário da natureza, e a pequena povoação marcada pela faina lagunar, pela arte xávega e pela longínqua pesca do bacalhau nos mares frios da Terra Nova.

A preponderância da indústria cerâmica na região não é, apenas, um reflexo dos avanços tecnológicos, resultando antes de uma longa tradição produtiva favorecida pela constituição geológica da região e que remonta, pelo menos, ao período tardo-romano/medieval como o evidenciam os fornos cerâmicos de Eixo.

Aveiro, capital do Distrito de Aveiro, é uma das principais cidades da região Centro e pertence à subregião do Baixo Vouga. Conta com cerca de 55 291 habitantes. Fica situada a cerca de 58 km a norte de Coimbra e a cerca de 68 km a sul do Porto, e é também a principal cidade da sub-região do Baixo Vouga , a sub-região mais populosa da região Centro (com 398 467 habitantes). É também a segunda cidade mais populosa no Centro de Portugal, depois de Coimbra. É sede de um município com 73 100 habitantes (2008) e 199,77 km² de área, subdividido em 14 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Murtosa (seja através da Ria de Aveiro, seja por terra), a nordeste por Albergaria-a-Velha, a leste por Águeda, a sul por Oliveira do Bairro, a sueste por Vagos e por Ílhavo (sendo os limites com este último concelho também feitos por terra e através da ria), e com uma faixa relativamente estreita de litoral no Oceano Atlântico, a oeste, através da freguesia de São Jacinto. É também um importante centro urbano, portuário, ferroviário, universitário e turístico.

Hoje, esta região em franco crescimento económico consegue aliar os testemunhos do passado às exigências actuais, envolvendo a Universidade de Aveiro, num caminho para o desenvolvimento sustentável que garantirá o futuro.